Juiz se recusa a acabar com o extermínio em massa de cervos no Kansas

           

Por Karina Ramos (da Redação)

Um juiz do tribunal de Johnson County se recusou a impedir a morte de mais cervos no Parque Shawnee Mission. Esses animais costumam ser mortos por flechas de arqueiros.

Reprodução: Google Images

Jason Miller, um ativista pelos direitos animais de Lenexa, havia pedido ao juiz Kevin Moriarty que emitisse uma ordem de impedimento temporária contra o Parque Johnson County e o Distrito de Recreação com a finalidade de acabar com o assassinato contínuo de cervos pelas flechas dos caçadores.

O distrito anunciou recentemente que 313 cervos haviam sido mortos por atiradores voluntários em novembro, em uma tentativa de reduzir esses animais a um número de 50 por milha quadrada. Cerca de um ano atrás, uma estimativa populacional indicou que havia cerca de 200 cervos por milha quadrada.

Entretanto, uma contagem depois da ação dos atiradores mostrou que a população ainda estava grande – 73 cervos por milha quadrada. E a partir daí teve início a segunda fase do extermínio: a caça com flechas.

Durante uma audiência motivada pelo seu pedido ao juiz, Jason disse que o distrito poderia ter errado na contagem de 73 animais por milha quadrada. Ele disse: “Não acredito que haja um problema de superpopulação no parque. Não há motivos para levar essa caça adiante.”

Jason também declarou que a caça com flechas deixa feridos 50% dos cervos atingidos e que a prática é cruel e desumana. Ele disse que os cervos feridos podem fugir e parar no meio do trânsito, causando acidentes.

Ernie Ballweg, um advogado do distrito, disse ao juiz que o método de caça com flechas é usado em ambientes controlados e que 89% a 92% dos cervos seriam mortos e não apenas feridos.

O juiz perguntou por que não usavam os atiradores novamente, já que conseguiam matar 100% dos animais atingidos.

Michael Meadors, diretor-executivo do distrito do parque, disse que o método do arco-e-flecha é exigido pelo Departamento de Vida Selvagem e Parques do Kansas quando os atiradores não conseguem atingir a meta populacional.

“Temos muitos cervos naquele ambiente para sustentar a população”, disse Michael, alegando que muitos morreriam de fome se o controle não fosse feito.

O juiz disse que não considerava impróprios os procedimentos usados pelo distrito para atingir a meta populacional e que não achava que a ação ia contra o interesse público. E terminou com a infeliz declaração, tentando justificar a situação, indicando que o extermínio vai continuar: “É uma pena que o extermínio tenha que ser tão grande.”

Fonte: Animal Concerns

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo