Mulher aprisionava três espécies ameaçadas de extinção em seu apartamento

           

Por Karina Ramos (da Redação)

As autoridades prenderam uma mulher da Malásia que mantinha um filhote de urso, um leopardo e uma miniatura de lêmure (Slow Loris) em seu condomínio, segundo divulgado por um policial da vida selvagem.

Foto: Reprodução/The Star Online
Foto: Reprodução/The Star Online

Os policiais foram verificar uma denúncia e descobriram as espécies em risco de extinção, que estavam no apartamento da mulher de 25 anos na cidade de Kuala Lampur, segundo Mohammad Khairi Ahmad, diretor do Departamento de Vida Selvagem de Selangor.

Os animais, que valem centenas de dólares no mercado negro, eram aparentemente mantidos como animais de estimação, pois a gaiola do lêmure tinha um balanço típico de pracinha de criança.

Investigações iniciais mostraram que os animais foram trazidos de tribos indígenas do sul de Negeri Sembilan há cerca de três meses. O departamento irá obter uma ordem do tribunal para enviar os animais a um zoológico ou de volta à vida selvagem.

A mulher, que foi liberada sob fiança, alegou que seu primo seria o responsável pelos animais e agora a polícia está procurando por ele. Os dois podem ser indiciados por manter animais selvagens ameaçados sem permissão. Eles podem passar até dois anos na prisão, além de pagar uma multa por cada animal.

Mohammad disse que o bebê urso pode valer até 5.000 ringgit (unidade monetária da Malásia), o que corresponderia a $1.471, no mercado negro. O leopardo e o lêmure podem chegar a 500 ringgit ($147) cada um.

Fonte: The Associated Press (AP)

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo