Por que o tucano tem o bico tão grande?

           
Foto:Reprodução/Diário do Grande ABC
Foto:Reprodução/Diário do Grande ABC

O bico do tucano ajuda a capturar alimentos, como frutas e sementes, e pegar insetos e filhotes de outras aves no ninho. É também um meio para se comunicar, atrair a fêmea, se defender e intimidar outras aves. Recentemente também descobriu-se que serve para regular a temperatura do corpo.

Essa parte representa quase a metade do corpo, que mede em média 50 cm, o que significa que pode atingir mais de 20 cm só de bico. Mas nem todos são iguais.

O do macho é maior do que o da fêmea e ainda é menos curvo e longo. Também varia entre as espécies. O do tucano-toco é o maior: pouco menos de 30 cm, já que a ave tem 61 cm de comprimento.

Não pense que é pesado. É formado de tecido ósseo esponjoso, o que o torna leve (é pouco mais pesado que isopor) e não prejudica o equilíbrio na hora de voar ou se manter no galho. Mesmo assim é resistente, porque é feito de queratina, proteína presente na unha e cabelo.

Controle de temperatura

Pesquisadores brasileiros e canadenses descobriram recentemente que o bico grande dessa ave é usado para trocar calor com o ambiente, ou seja, serve para regular a temperatura como uma janela térmica. O estudo foi feito por muitos anos com o tucano-toco.

Observou-se que na parte das penas, a temperatura varia pouco em relação à temperatura do ambiente. Enquanto que na região do bico, muda bastante. Isso acontece, porque, quando o ambiente sofre quedas de temperatura, como ao anoitecer, os vasos sanguíneos do bico se contraem, impedindo que a ave perca calor.

Quando a temperatura aumenta durante o dia, esses vasos se dilatam e permitem que o tucano se desfaça de parte do calor. O pato usa esse mesmo recurso. E o elefante faz isso com as orelhas.

Nem o naturalista Charles Darwin, que estudou a evolução das espécies, tinha conseguido desvendar esse mistério. Para ele, o bico teria a mesma função que a cauda do pavão, a de atrair a fêmea para o acasalamento.

Outros bicudos

O tamanho do bico das aves está ligado ao seu hábito alimentar. O maior é o do pelicano australiano que chega a medir 50 cm, quase o tamanho do braço de um adulto. A principal função é servir como rede na água para pescar o alimento. Depois de capturar o peixe, o pelicano abre um pouco o bico para deixar a água escorrer.

Gavião, coruja e águia têm bico bem forte, com ponta curvada para rasgar a carne da presa. Papagaio e arara dependem dele para quebrar frutos e sementes duras, utilizando-o como gancho para retirar a polpa.

O pica-pau tem bico largo para capturar os insetos durante o voo. O beija-flor possui bico comprido e fino, como tubo, para sugar o néctar das flores. A garça também possui bico fino e pontudo para fisgar o peixe.

Saiba mais

– Há 34 espécies de tucanos que vivem em bandos na América do Sul. No Brasil estão no cerrado, Amazônia, Pantanal e Mata Atlântica. São onívoros, alimentando-se de frutas e sementes, mas também podem comer insetos, anfíbios, répteis e ovos.

– As espécies mais comuns aqui são o tucano-toco (a maior entre todas, que vive 16 anos), o tucano de bico-verde e o tucano-grande-de-papo-branco, que vive 40 anos.

– Essas aves, em geral, têm olhos azuis e bico amarelo e preto (o tucano de bico verde tem bico dessa cor!). O pescoço normalmente é branco. As penas do corpo podem ser de várias cores, como vermelho, verde, azul e amarelo, misturadas ao preto. Isso varia entre as espécies.

– Emitem sons para se comunicar com outros da mesma espécie, mas não imitam vozes como os papagaios.

– O tucano faz ninho nos ocos das árvores, e a fêmea bota de dois a quatro ovos. Os filhotes nascem sem penas e ficam de 43 a 52 dias no ninho sendo alimentados pela mãe.

*Com consultoria de Denis de Andrade, professor de zoologia da Unesp de Rio Claro, e da bióloga Sabrina Romano, do Zoológico de São Paulo

Fonte: Diário do Grande ABC

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo