Matar animais com requintes de crueldade é cada vez mais frequente em Caxias do Sul

           

Matar animais com requintes de crueldade tem sido, infelizmente, uma prática cada vez mais frequente em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.

Mais um caso foi relatado por uma leitora, nesta semana,  sobre a morte da gatinha de estimação de seu irmão:

“Estou sentindo revolta e indignação com um fato ocorrido com uma gatinha chamada Mafalda, então resolvi relatar este fato para compartilhar e quem sabe diminuir essa sensação de frustação e impotência. O fato ocorreu na Rua Bento Gonçalves, no centro de Caxias, na noite do dia 10.
A Mafalda foi um presente que apareceu no portão da residência do meu irmão. Ele acolheu essa linda gatinha siamesa, a adotou como uma filha, comprou casinha, brinquedos, areia especial, ração e a levava para o banho no pet shop. Ela era dengosa, ciumenta e adorava ficar ao lado do meu irmão na bancada do computador quando ele estava trabalhando.
A Mafalda foi encontrada morta cedinho na manhã do dia 11, numa sacola plástica. Deve ter sido envenenada e asfixiada. Naquela manhã, minha cunhada ouviu um miado estranho e foi procurar, deparando com aquela cena cruel e covarde, com aquele animalzinho indefeso.
Agora me pergunto: quem teria feito tamanha crueldade para a Mafalda e com meu irmão? E a quem devemos recorrer quando fatos assim acontecem, a quem cabe investigar? Esse cruel assassino está solto, mas acredito que ele não vai ter paz no seu coração.”

Chegará o dia em que o ser humano aprenderá a respeitar todos os seres vivos?

(Com informações de  É o Bicho)

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo