Apicultura

           

Além de entendida como uma interferência indevida na vida das abelhas, a apicultura produz outros exemplos de crueldade. Para a produção de geléia real (alimento da abelha rainha), a abelha rainha é morta. Em outros casos, a abelha-rainha é morta ainda na fase de larva, para evitar a enxameação das colméias. Em certos tipos de criação, a inseminação da abelha rainha é feita artificialmente. Isso se faz pela decapitação do zangão, que dispara um impulso elétrico que faz o animal ejacular. Além disso, como a rainha só precisa ser fecundada uma vez na vida, a maioria dos zangões é morta quando ainda são larvas. Desse modo, o apicultor se livra de ter um animal que não trabalha e que consome mais mel do que as abelhas-operárias. Na extração de mel das colméias, muitas abelhas são esmagadas ou morrem tentando proteger a colméia, pois quando ferroam elas perdem órgãos vitais e morrem. Também no processo de extração do mel o apicultor pode retirar acidentalmente, juntamente às células que contêm mel, células que contêm larvas, que são destruídas e depois separadas do mel no processo de filtragem.

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo