Associação Ação Animal faz protesto contra animais em circo em Portugal

           

Uma dezena de ativistas dos direitos dos animais juntou-se hoje às artes circenses, em frente à Assembleia da República em Lisboa, Portugal, num protesto colorido e ritmado contra a utilização dos animais nos circos.
Os manifestantes atraíam atenções com malabarismos, pandeiretas e palhaços, para mostrar outras formas de fazer circo, sem animais a atuar, no dia em que o Parlamento discute propostas neste sentido.
A manifestação “simbólica” foi convocada pela Acção Animal, que, juntamente com a Liga Portuguesa de Direitos dos Animais (LPDA), promoveu uma petição defendendo a proibição do uso de animais nestes espetáculos que suscitou o debate parlamentar.
“Estamos aqui para mostrar que não é possível os animais terem bem-estar no circo, que é um espetáculo itinerante. Os animais ficam aprisionados toda a vida e são domados com violência física e psicológica. Isso é incompatível com uma sociedade moderna que respeita os animais”, disse à Agência Lusa Hugo Evangelista, da Acção Animal.
O ativista rejeitou os argumentos de empresários circenses que alegam que “os animais fazem parte da família do circo” e das preferências do público, sublinhando que “é duvidoso recolher uma informação do próprio abusador”.
“Não podemos perguntar à pessoa que explora e domina o animal se acha que está a fazer algo errado, obviamente vai dizer que não”, enfatizou, salientando que “as pessoas não precisam de animais para se divertirem” e que os espetáculos de “novo circo” também esgotam.
Quanto às propostas que hoje são debatidas, Hugo Evangelista considera que o projeto de lei “Os Verdes” é o que melhor defende os direitos dos animais “porque proíbe a exibição de animais selvagens e dá um prazo de cinco anos para que os animais domésticos também deixem de ser usados”.
O projeto de resolução do Bloco de Esquerda é “menos ambicioso porque apenas proíbe os animais selvagens, mas poderá eventualmente recolher um maior consenso por parte das outras bancadas”, opinou.
O projeto de lei do PCP, por outro lado, “visa apenas a curto prazo os grandes símios, o que é positivo”, mas poderá beneficiar a longo prazo os restantes animais selvagens, já que proíbe a sua procriação e aquisição, considerou ainda Hugo Evangelista.
Com informações do Diário de Notícias

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo