SUFOCAMENTO            

Mudanças climáticas causam crescimento de fitoplâncton e morte de espécies marinhas

           
Foto: Ilustração | Pixabay

Quando visto de cima, parece uma pincelada de bege passada nas águas azul-escuras do Mar de Mármara. De perto, parece um cobertor cremoso e gelatinoso de areia movediça. Agora os cientistas estão alertando que a substância, conhecida como ranho do mar, está aumentando devido ao aquecimento global.

A substância pegajosa e parecida com muco não havia sido registrada nas águas turcas antes de 2007. Ela é resultado de temperaturas quentes prolongadas e clima calmo, em áreas com nutrientes abundantes na água.

O fitoplâncton responsável cresce descontroladamente quando nutrientes como nitrogênio e fósforo estão amplamente disponíveis na água do mar. Esses nutrientes são abundantes há muito tempo no Mar de Mármara, que recebe as águas residuais de quase 20 milhões de pessoas e é alimentado diretamente pelo Mar Negro, rico em nutrientes.

Em quantidades normais, essas minúsculas plantas marinhas flutuantes são responsáveis ​​por respirar oxigênio nos oceanos, mas sua superpopulação cria o efeito oposto. Sob condições de estresse, eles exalam uma matéria semelhante a muco que pode crescer e cobrir muitos quilômetros quadrados do mar nas condições certas.

Na maioria dos casos, a substância em si não é prejudicial. “O que vemos é basicamente uma combinação de proteínas, carboidratos e gordura”, disse o Dr. Neslihan Özdelice, biólogo marinho da Universidade de Istambul. Mas a substância pegajosa atrai vírus e bactérias, incluindo E. coli, e pode, na verdade, se transformar em um cobertor que sufoca a vida marinha abaixo.

O evento deste ano, o maior já visto, começou em águas profundas no final de dezembro e foi inicialmente apenas um incômodo para os pescadores, que não conseguiram lançar suas redes desde o aparecimento do ranho do mar.

Nessa época, o Dr. Barış Özalp, biólogo marinho da Universidade Çanakkale Onsekiz Mart, teve um encontro casual com a substância no estreito de Çanakkale, a passagem estreita que conecta os mares Egeu e Mármara.

Özalp ficou surpreso com a extensão do ranho marinho que encontrou durante seu mergulho regular para monitorar corais, seu principal foco de pesquisa. É particularmente prejudicial para organismos imóveis como os corais, pois se envolve em torno deles, inibindo sua capacidade de se alimentar ou respirar e, muitas vezes, matando-os.

“A gravidade da situação começou quando eu mergulhei para medições em março e descobri mortalidade severa em corais”, disse Özalp, nomeando o coral dourado (Savalia savaglia) e o violento chicote do mar (Paramuricea clavata) como as espécies mais afetadas. Ele advertiu que se o ranho do mar persistisse, a vida de invertebrados no fundo do Mar de Mármara estaria sob grave ameaça.

Quando o muco finalmente atingiu a costa nos meses seguintes, também começou a ameaçar os criadouros de peixes.

Foto: Pixabay

“Uma vez que a mucilagem cobre as costas, ela limita a interação entre a água e a atmosfera”, disse o Dr. Mustafa Sarı, reitor do corpo docente marítimo da Universidade Bandırma Onyedi Eylül, que está conduzindo um estudo sobre os efeitos econômicos do muco.

Ele esgotou ainda mais o oxigênio durante a decomposição, essencialmente sugando o ar da área, explicou Sari. Ele também observou que milhares de peixes começaram a morrer há algumas semanas em Bandırma, uma cidade costeira na margem sul do Marmara.

Os cientistas estão pedindo uma ação urgente para reduzir a pressão das águas residuais no Mar de Mármara, a fim de diminuir os nutrientes.

“O principal gatilho é o aquecimento relacionado às mudanças climáticas, à medida que o fitoplâncton cresce durante as temperaturas mais altas”, disse Özdelice, observando que a água do mar havia esquentado 2-3ºC desde os tempos pré-industriais. Mas, uma vez que o combate à mudança climática requer um esforço global e coordenado, ela pediu à Turquia que se concentrasse em fatores que pudesse controlar: pesca excessiva e descargas de águas residuais.

“Isso também é resultado da pesca excessiva porque, como os filtradores que consomem o fitoplâncton são excessivamente caçados, há espaço para que [o fitoplâncton e o ranho do mar] se reproduzam”, disse ela.

Mesmo antes da pressão adicional da mudança climática, o semifechado Mar de Mármara mal conseguia suportar o fardo da densamente povoada e industrializada bacia de Mármara, disse Sarı. “Mas à medida que as temperaturas sobem, o mar reage de uma maneira completamente diferente.

“Estamos experimentando os efeitos visíveis das mudanças climáticas, e a adaptação exige uma revisão de nossas práticas habituais. Devemos iniciar um esforço em grande escala para nos adaptarmos.”

Comente

Comunicar erro

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo