Dia Mundial Antivivissecção reúne centenas de pessoas em protesto por cidades brasileiras

           

Por Lilian Regato Garrafa  (da Redação)

Em observância ao Dia Mundial Antivivissecção, centenas de ativistas realizaram, em várias cidades brasileiras, manifestações pacíficas contra o uso de animais vivos em testes e experimentações científicas. Em São Paulo, cerca de 300 manifestantes compareceram neste sábado (16) no vão do Masp, na Avenida Paulista, para dar voz aos animais vítimas de métodos anacrônicos e desprovidos de ética.

(Foto: ANDA)

Convocados por intermédio da rede social Facebook, pelo grupo “”O Planeta Pede Socorro!!!””, os manifestantes mostravam grande disposição em expor à sociedade o sofrimento desnecessário pelo qual passam os animais escravizados em laboratórios e biotérios.

A exibição de cartazes com fotos de animais engaiolados, dissecados e torturados em vida pretendeu desvendar a realidade por trás de cada medicamento ou produto cosmético, de higiene ou de limpeza, que grande parte das pessoas compra desconhecendo sua origem macabra, manchada de sangue e brutalidade.

(Foto: ANDA)

O principal enfoque dado ao protesto foi a ineficácia dos testes e o desenvolvimento de novas tecnologias já disponíveis para ensino e pesquisa, que prescindem de forma absoluta do uso de animais para investigação de efeitos nos seres humanos, além de serem muito mais confiáveis e eficientes.

Uma prova de que os testes em animais não são eficazes é a lista de mais de cem medicamentos cuja tolerância nos animais exaustivamente testados se demonstrou alta, mas que causaram não só danos em humanos, como também morte após a ingestão das drogas (clique aqui para ver a descrição de uma série de efeitos danosos dos tais fracassados testes). É mais do que evidente que o tipo de reação causada nos animais não pode ser comparado ao desencadeado no corpo humano.

(Foto: ANDA)

Nos panfletos distribuídos durante o protesto, ressaltava-se uma lista de novos recursos alternativos à vivissecção: softwares, culturas de células humanas em laboratórios; simuladores que reproduzem as mesmas características do corpo; células-tronco; pesquisa genética; sistemas biológicos in vitro; modelos; simuladores; autoexperimentação e outros.

Recentemente a Anda divulgou o desenvolvimento de um software que pode substituir o uso de animais nas aulas de Fisiologia e Biofísica, simulando o procedimento feito atualmente em rãs na Universidade de Campinas. Isso comprovadamente mostra que bastam a iniciativa e o apoio das leis para que os animais sejam completamente substituídos nos laboratórios.

A exigência de ética foi constantemente ressaltada pelos organizadores da manifestação, que, ao megafone, pediam que as pessoas não fechassem os olhos para a triste realidade das vidas descartadas em nome de uma ciência charlatã e gananciosa. Um petição também circulou arrecadando assinaturas contra o uso de animais em pesquisas.

Alguns ativistas se dispuseram a fazer performances nos faróis para simular o sofrimento dos animais e chamar a atenção dos pedestres e motoristas que passavam pela avenida.

(Foto: ANDA)

O alvo da manifestação foi o Ministério da Ciência e da Tecnologia, comandado por Aloisio Mercadante, que defende o cruel uso de animais no desenvolvimento de novos fármacos e procedimentos para o “avanço” da pesquisa e da ciência. Um apelo foi feito para que todos se manifestem escrevendo às autoridades que  defendem essa prática cruel e falaciosa dos testes, pedindo que considerem as argumentações contrárias ao uso de animais. A informação sobre os políticos que compactuam com essa postura é fundamental para não só exigir deles uma decisão ética na elaboração das leis, como também não votar neles em eleições futuras.

(Foto: ANDA)

Incansável e engajada, a voluntária ativista e protetora Maria Paulina dos Santos comoveu os manifestantes e transeuntes ao descrever ao megafone o sofrimento pelo qual passam os animais vítimas da ciência. Ela fez um apelo para que todos pensassem em seus animais e transferissem a imagem deles para os animais que não têm alternativas nos biotérios.

Vivian Szwarc, uma das organizadoras do evento, solicitou atenção à necessidade de haver maiores incentivos do governo e dos órgãos de pesquisa para substituir todos os tipos de testes em animais. E lembrou que o mercado de cosméticos e as indústrias deveriam usar todos os métodos alternativos que existem, embora os laboratórios e o governo mantenham o lobby para se ganhar muito dinheiro com os animais e as pesquisas infundadas, já que a biologia e constituição dos animais são diferentes das humanas.

(Foto: ANDA)

O protesto se encerrou ocupando uma das vias da Avenida Paulista  com uma caminhada, agregando também um grupo que coincidentemente protestava contra o novo código florestal e uniu-se aos manifestantes compartilhando do mesmo princípio de defesa dos animais contra a tortura institucionalizada.

(Foto: ANDA)

Capital Federal

Em Brasília, o  grupo “Cadeia para quem maltrata animais” realizou uma manifestação em frente ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Vestindo jalecos e com máscaras nos rostos, cerca de 100 ativistas distribuíram cartazes e folhetos para conscientizar a população da necessidade de abolir o uso de animais em experimentos científicos.

Cerca de 100 ativistas participaram da manifestação em Brasília. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

O grupo mostrou a quem passava pelo local que existem técnicas alternativas com resultados mais eficientes e precisos. A coordenadora da manifestação, Patrícia Elmoor, diz que para abolir o uso de animais é preciso vontade pública e política. E defende que é possível conscientizar os consumidores para que não usem produtos que sejam desenvolvidos a partir de experimentos com animais.

Foram realizadas também manifestações no Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte e Campinas.

Assista a um vídeo produzido pela VegeTV com depoimentos de ativistas e organizadores do protesto de São Paulo:

Comente

Obrigado por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.

Faça uma doação
               

Veja Também

ir para o topo